Os tipos de empresa em relação à LGPD

Em agosto do ano que vem, entra em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados. A menos de um ano da LGPD começar a valer, as empresas brasileiras que coletam e tratam dados pessoais devem começar o processo de adequação.

Nessa fase, se percebe as organizações em diversos grupos quando o assunto é o nível de adequação. Em qual grupo a sua empresa está? Confira os principais deles e o que você deve fazer para dar o próximo passo e não deixar a LGPD causar dores de cabeça no ano que vem.

 

As empresas líderes

Elas são referência no mercado quando o assunto é a proteção de dados e a privacidade. Algumas já estão em conformidade com a GDPR, a lei de proteção de dados europeia, por serem multinacionais.

Essas empresas compartilham o conhecimento que têm sobre o tema e algumas oferecem soluções para outras entrem em conformidade. Já têm uma cultura de fazer projetos que estão no conceito de privacy by design e privacy by default (privacidade desde a concepção e por padrão).

Próximo passo: Educar mais o mercado sobre o assunto e usarem a lei como oportunidade de crescer.

 

As “early adopters”

Logo que a lei foi aprovada, essas empresas já começaram a buscar informação e olhar para dentro para entender como é feito o tratamento de dados pessoais. A equipe da empresa early adopter já está participando de palestras e cursos, lê artigos na internet e já está testando ferramentas que irão ajudar no processo de conformidade.

São negócios que não irão sofrer com a entrada da lei em vigor, pois já estão se preparando para ela. Com o tempo, irão notar as vantagens da proteção de dados para a organização das informações da empresa e para a transparência no relacionamento com os clientes.

Próximo passo: Colocar em prática os conceitos pedidos pela lei e orientar os colaboradores sobre a importância da proteção de dados.

 

As empresas céticas

A ideia de que a LGPD não vai “pegar” é algo defendido pelas empresas céticas. Elas só irão começar a entrar em conformidade quando verem que isso pode trazer prejuízos financeiros e de imagem, ou seja, quando verem outros negócios sofrendo penalidades.

Elas sabem que a lei irá entrar em vigor no próximo ano, mas ainda não começaram um mapeamento de dados e irão deixar para a última hora realizar algum processo de adequação.

Próximo passo: Conhecer melhor a lei e buscar referências sobre as vantagens da proteção de dados nas grandes empresas.

 

As empresas conservadoras

Os negócios que fazem parte desse grupo também não tomaram nenhuma ação para entrar em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados. Eles estão esperando que outras empresas façam e comprovem os resultados.

Na opinião de quem comanda esse tipo de empresa, não vale investir tempo e recursos na adequação sem ter uma garantia de que o esforço irá valer a pena. Elas estão seguindo a rotina normalmente até que tenham a certeza de que algo deve ser feito em relação à proteção de dados.

Próximo passo: Procurar uma consultoria, como um DPO ou advogado especializado.

 

E a sua empresa, se encaixa em qual categoria? Conte para nós nos comentários!